60 anos de amizade e lembranças

Era 1957 quando um grupo de novos alunos começou a frequentar o Ensino Médio no Band e fortalecer dia a dia sua união.

60_2

Após 60 anos, os amigos realizam encontros em homenagem a amizade e aos laços construídos entre as paredes de tijolinhos da Rua Estela. Os alunos já comemoraram 50, 55 e 60 anos desde o dia em que a turma se conheceu.

60_5

Tudo começou com o casal Zuleika e João Carlos Thomson. Médicos e durante 46 anos, professores da UEL (Universidade Estadual de Londrina), os dois se conheceram no Colégio. Após organizarem encontros de suas turmas da faculdade, decidiram, em 2007, celebrar os 50 anos do início da turma do Bandeirantes.

60_7

“De alguns amigos nunca perdemos contato, mas havia pessoas que nós não víamos há anos”, comentou Zuleika. Por esse motivo, no primeiro encontro, os vinte participantes tiveram de usar crachás de identificação. O almoço que rendeu, além de sorrisos e alegrias, data marcada para os próximos encontros: de 55 e 60 anos.

60_6

A cada encontro, o casal e os demais amigos mergulham em um trabalho árduo  para conseguir entrar em contato com mais colegas. “É um trabalho difícil, mas dá muita satisfação manter as amizades”, explica João Carlos.

60_9

No encontro de 2017, também conseguiram entrar em contato com a professora de Matemática da turma, Guitta Guinsburg. “Nós fomos a primeira classe dela. Ela ficou muito emocionada. Uma vez aluno, sempre aluno”, lembrou ele.

60_8

Como uma viagem no tempo, o casal lembra carinhosamente do Colégio, onde conquistaram laços de uma vida inteira. “O Band foi a descoberta de que eu poderia fazer amigos de verdade. O grupo de 1957 me ensinou o que era amizade. Depois de 50 anos lembramos até das piadinhas de sala, é quase como rejuvenescer”, disse Zuleika. João lembra detalhadamente de professores e funcionários. “O Colégio é um ambiente que, por amadurecer o aluno, acabou por fortaleceu a amizade entre pessoas diferentes”, finalizou João.

Eu fiz Band: Lígia Cortez

Muitos conhecem sobre a carreira da atriz Lígia Cortez, porém, o que poucos sabem é que tudo começou no Band. Carinhosamente, ela lembra dos momentos que dividiu com amigos e professores no ambiente escolar.

ligia_cortez

Formada em 1978, Lígia seguiu os passos do seu pai, o também ator Raul Cortez, e seus tios, que haviam estudado no Colégio.

Ela afirma que teve um aprendizado muito sólido com professores de qualidade, que a ensinaram como argumentar e raciocinar para além de um plano de ensino fechado. “O estudante sai do Band com possibilidades para a compreensão crítica do mundo. O Colégio se mantinha neutro para que o aluno pudesse pensar e aprendi muito sobre o país durante esse período” disse Lígia. Ela ressaltou também a forma ética com que os alunos são tratados já que a eles é dada toda a liberdade contanto que saibam lidar com as consequências.

Sua carreira de atriz, tanto no teatro quanto na televisão, revela traços de ensinamentos adquiridos em sua trajetória no Band: a liberdade, autonomia e certeza da própria capacidade. Além disso, ela conta que obteve uma enorme bagagem cultural já que teve acesso a uma série de livros, filmes e aulas de línguas estrangeiras – conhecimentos que poderiam leva-la aonde desejasse.

Diretora da Escola Superior de Artes Célia Helena, Lígia aplica na instituição muitos dos ensinamentos que aprendeu durante seus anos no Colégio. “No Band aprendi que tudo o que realizamos tem que ser pra valer e com qualidade. Levo isso para o Célia Helena onde procuro sempre ensinar sobre integridade para o aluno e trata-lo com respeito” contou a atriz.

Dra. Renata Konno fala sobre Medicina

Em palestra para cerca de 70 alunos, Renata Konno, ginecologista e obstetra, conversou com os interessados no curso de Medicina. A médica contou sobre toda a sua trajetória, desde o Bandeirantes e seu empenho para passar no vestibular até a residência na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

konno_1

Medicina é uma das principais opções de carreira dos estudantes, por isso a oportunidade de conversar e tirar dúvidas com a Dra. Renata Konno se fez muito importante para ajuda-los a tomar uma decisão. “O evento foi fundamental para alguns alunos terem certeza da opção, mas também foi importante para aqueles que, após a conversa, decidiram não seguir a profissão e, assim, procurar por diferentes possiblidades de carreira” disse Cláudio Pinheiro, Coordenador de Processos de Avaliação Acadêmica.

konno_3

“Achei os alunos muito interessados e curiosos sobre o assunto. Conversamos sobre os esforços da fase do vestibular, a importância de uma boa faculdade vinculada a um hospital escola, o investimento de tempo e dinheiro na carreira, a diversidade de campos de atuação e também sobre a felicidade de poder ajudar um paciente. Apesar da pouca idade, espero que os alunos façam suas escolhas de acordo com suas preferências, seus gostos e no que eles acreditam que possam fazer a diferença” disse a Dra. Renata Konno.

konno_4

A palestra faz parte de um projeto de reestruturação do Departamento de Orientação Profissional e para os Vestibulares, liderado pelo Coordenador Cláudio. A mudança consiste em, entre outros aspectos, colocar o aluno em contato com profissionais da área que possam mostrar como é a profissão na prática.

Prazo para adquirir ingressos do encontro de 10 e 25 anos foi prorrogado

Com o intuito de manter o vínculo dos alunos formados com o Band, o Colégio organiza anualmente uma festa de confraternização que comemora 10 e 25 anos de encerramento do Ensino Médio.

eufizband_2017_2Neste ano, as turmas de 1992 e 2007 poderão reencontrar amigos, professores e reviver muitas lembranças dos seus tempos de escola.

eufizband_2017_1Em um primeiro momento, os estudantes poderão usufruir de um coquetel. Logo depois, será oferecido um almoço, sempre repleto de alegria e histórias a respeito das mais diferentes trajetórias dos alunos.

eufizband_2017_4O encontro ocorrerá no dia 24 de junho, das 12h30 às 16h30, no próprio Colégio.

eufizband_2017_3

Para garantir presença no reencontro das turmas, os interessados devem entrar em contato pelo telefone do Band (11) 5087-3520 ou 5087-3521 e tratar diretamente com o Departamento Cultural. Atendendo a pedidos, o prazo para adquirir os ingressos foi prorrogado para o dia 2 junho.

Alunos da turma de 90 realizam encontros mensais

Como é tradição, o Band realiza um encontro para a comemoração de 25 anos de formatura. Alunos da turma de 1990 de diversas regiões do Brasil e também do exterior compareceram ao evento em 2015.

“Encontramos amigos que não víamos desde a época do Colégio e que com certeza, nunca mais perderemos o contato! O Band também foi fundamental para a nossa formação profissional e como seres humanos que carregam em si a ética e o respeito mútuo”, pontuaram as alunas Cristina Amino e Liz Kimura.

IMG_5551

Desde então, os alunos se encontram mensalmente para reviver os momentos que passaram juntos – o que é motivo de orgulho para o Bandeirantes. É de suma importância que, mesmo depois da formatura, os alunos mantenham se próximos uns aos outros e troquem experiências.

IMG_5562

“A turma de 90 agradece ao Band! E esperamos que possamos manter o contato eternamente”, finalizaram.

Veja a galeria de fotos dos encontros clicando aqui.

Aluna do Band realiza transplante inédito

Liliana Ducatti, da turma de 1997, é formada em medicina pela Faculdade do ABC, realizou seis anos de residência médica (quatro pela própria faculdade que cursou e outros dois no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo) e finalizou seu doutorado em gastroenterologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Lilian2

A aluna trabalhou em Bruxelas (Bélgica) com transplante de Fígado no serviço de Transplante da “Université Catholic de Louvain”. Atualmente, Liliana é médica assistente no departamento de gastroenterologia na Divisão de Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e atende em consultório particular e opera nos hospitais Sírio Libanês, 9 de julho e Oswaldo Cruz.

Apesar de atuar principalmente no transplante de fígado (103 transplantes em 2016 e outros 15 neste ano), no ano passado, Liliana realizou no HC o primeiro transplante de útero no Brasil, o primeiro da América Latina e o terceiro do mundo com doador falecido. “Foi uma honra participar da cirurgia de captação do órgão do doador e do transplante. Felizmente, a paciente segue ótima e em um futuro próximo implantaremos nela o embrião que está congelado para que ela engravide. Se for bem-sucedido, será a primeira criança do mundo nascida de um transplante de útero com doador falecido. ”, comentou.

“O Band foi essencial na minha trajetória, me abriu portas e a cabeça para o mundo. Meus pais sempre sonharam em me proporcionar a melhor educação do mundo, e foi pensando nisso que me colocaram no Band. Sem dúvida acertaram em cheio… me fez querer ir sempre em frente, sempre buscando mais. Além do que, me trouxe as mais valiosas amizades, as quais carrego até hoje. Pessoas maravilhosas que estão hoje brilhando muito em suas carreiras. Sempre falo com muito orgulho que me formei no Band e sem dúvida foi o início de uma longa trajetória que tenho pela frente… sempre querendo alcançar mais longe! ”, finalizou Liliana.

Aluno é internacionalmente prestigiado por suas realizações

Paulo Pita, aluno da turma de 2001 e formado em psicologia pela USP, finalizou recentemente seu mestrado em Ensino de Língua Inglesa (TESOL) na University of Birmingham, na Inglaterra.

Pita

Durante sua graduação, o aluno participou de duas iniciações científicas e também um estágio no Comitê de Ética em Pesquisa da Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo. Como Coordenador de Cursos da Liga de Psiquiatria da Santa Casa, Paulo organizou eventos acadêmicos.

Após a graduação, se especializou em Psicologia em Instituições na própria USP. Nessa época, por meio do Laboratório de Estudos em Fenomenologia Existencial e Prática em Psicologia teve a oportunidade de prestar atendimento psicológico para internos e funcionários da Fundação Casa (antiga FEBEM) e também na Polícia Militar de São Paulo.

Em torno de 2010, além de atender pacientes em consultório particular, começou a dar aulas de inglês. No ano seguinte iniciou seu mestrado na University of Birmingham, na Inglaterra. A dissertação foi a respeito dos fatores que levam alunos a não terminarem seus estudos em língua inglesa e o que pode ser feito para elevar a probabilidade de sucesso desses alunos. “Escolhi este tema, uma vez que é um assunto amplamente estudado em universidades americanas, mas no Brasil esse é um dos poucos estudos sistemáticos na área. ”, comentou Paulo Pita.

Hoje, Pita é examinador de exames de proficiência da University of Cambridge (Young Learners a CPE) e gerente de filial da Cultura Inglesa em São Paulo.

“Nessa minha trajetória minha experiência no Band foi muito importante. Além da prática do inglês no Special English Program (SEP), eu tive acesso a um pensamento científico bastante rigoroso muito cedo na minha vida escolar, desde a 5ª série em “Experimental” com a professora Malu Gukovas. Além disso, as aulas práticas e a reflexão em cima da prática marcaram minha formação. Por outro lado, não poderia deixar de destacar os projetos extracurriculares que me ajudaram a aprender a gerenciar meu próprio tempo, a ter contato com pesquisadores internacionais e também a apresentar trabalhos e focar em resultados. O mais importante, entretanto, foram os professores que encontrei nesse caminho. ”, finalizou Paulo.

Aluna confecciona jóias a partir da Química

Jéssica Tanizaka, aluna da turma de 2010, juntamente com a Coordenadora do Laboratório de Química, Bete Rosa, finalizou seu seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) em moda na Faculdade Santa Marcelina.

jessica1

Professora Bete e a aluna Jéssica

O objetivo da aluna era de, a partir de processos e inspiração em estruturas químicas, desenvolver jóias de prata.

jessica2

“Quando um professor da faculdade mostrou um colar de titânio que adquiriu cores a partir de processos químicos, me lembrei das aulas de Laboratório de Química e fiquei estimulada a fazer meu TCC relacionado a Química. ”, comentou Jéssica

jessica3
jessica5A aluna contou com a infraestrutura dos laboratórios do Colégio para realizar processos químicos como eletrodeposição, aplicação de calor nas peças e diversos outros, utilizados para a obtenção de gamas de cores.

“Fiquei surpresa quando a Jéssica me contou sobre o tema do seu TCC. No papel, tudo já parecia extremamente consistente e claro que o resultado não poderia ter sido diferente. As jóias ficaram incríveis! ”, finalizou a Coordenadora.

 

Aluno desenvolve aplicativo para auxiliar no combate ao Zika Vírus

Guilherme Franco, aluno da turma de 2016, desenvolveu um aplicativo que busca disseminar conhecimentos sobre o Zika Vírus.

zika mater

O “Zika Mater” foi escrito em Inglês, Espanhol e Português, visando ampliar o leque de acesso à informação.

“Hoje há muita informação disponível na internet, mas nem toda tem um respaldo científico. Portanto, acredito que esse seja o diferencial do aplicativo, uma vez que foi supervisionado pelo médico e professor da USP em genética Dr. Thomaz Rafael Gollop, comentou o aluno.

Para facilitar o entendimento das informações, o app foi desenvolvido em tópicos: O que é, Prevenção, Sintomas, Tratamento, Área para gestantes, Mistérios, Notícias e Mapa de países afetados. Além disso, a aplicação conta com links que levam o usuário ao Ministério da Saúde, Organização Mundial da Saúde (OMS) e Centros de Doença e Prevenção de Doenças (CDC).

“Gostaria de agradecer o apoio do Colégio Bandeirantes que desde o início me disponibilizou a equipe TI para orientação sobre a escolha da plataforma, além da equipe de Espanhol para a revisão da parte nesse idioma”, finalizou Guilherme.

O aplicativo está disponível, gratuitamente, na Apple Store e na Google Play.

Aluno cursa pós-graduação em Direito Desportivo em NY

Américo Espallargas, aluno do Band formado em 2007 e integrante da primeira turma de direito da USP Ribeirão Preto, está em Nova York realizando pós-graduação em Direito Desportivo.

americo

Durante a faculdade, Américo não sabia ao certo a vertente do Direito que iria seguir, contudo, as dúvidas desapareceram depois de uma aula optativa sobre Direito Desportivo em seu último ano. Depois de graduado, trabalhou três anos nesta área, quando decidiu realizar uma pós-graduação pela Pontifícia Universidade Católica (PUC).

Em 2016, buscando ainda mais aprofundamento, começou os programas de “Master Science in Sports Management” e “Global Sports Law”, coordenados pela Universidade de Columbia e o Instituto Superior de Direito e Economia (ISDE), de Madrid.

“O Band me proporcionou muitas oportunidades no currículo e fora dele. No MONU–EM, por exemplo, descobri grande parte das minhas habilidades que eu uso hoje no mercado de trabalho, como a arte de negociar, discutir e me pronunciar em público. Além disso, o Idade Mídia me ensinou a fazer investigações e pesquisas com maior enfoque no objetivo. ”, finalizou Américo.