Formados há 10 e 25 anos se encontram no Band

Para uma grande maioria, não existem memórias comparáveis às dos anos de escola. O Bandeirantes faz questão de criar oportunidades para que ex-alunos mantenham os vínculos com a instituição, professores, amigos e os bons momentos que viveram. Por isso, realiza periodicamente reencontros de turmas antigas de formandos. Foi assim recentemente para os formandos de 1988 e 2003 (respectivamente 25 e 10 anos de conclusão de curso).

“A oportunidade de rever os amigos e revirar as lembranças da época de Colégio é uma coisa sem igual. Ao mesmo tempo que tudo parece distante e diferente, é estranho pensar que já se passaram 10 anos. O Bandeirantes marcou tanto minha adolescência que continua sendo uma lembrança muito forte e presente para mim”, conta a ex-aluna Carolina Gancho, formanda de 1998, presente no evento. Para a ocasião, o ginásio foi completamente redecorado e serviu como salão principal. Este ano o Band reuniu 280 ex-alunos, um número acima da média dos outros anos (por volta de 200 convidados).

O evento se deu primeiramente com um almoço servido pelo Buffet Dona Deola ao som ao vivo da Dupla Colt. Após o almoço, os presentes foram em grupos revisitar os tijolinhos: pontos como a lanchonete, as salas de aula, o pátio e os laboratórios não foram esquecidos.

Além de garantir as fortes emoções ao trazer à tona as boas memórias deixadas no Colégio, alguns ex-alunos ainda foram mais além, num momento totalmente inusitado: um ex-aluno resolveu aproveitar o momento para pedir sua namorada em casamento!

“O mais emocionante é ver amigos que não se viam há 10 ou 25 anos que em poucos minutos conversam como se nunca tivessem se separado, como se estivessem no intervalo da manhã, esperando o sinal”, comentou Ricardo P. Aguirre, supervisor de Relações Institucionais e Cultural, sobre os reencontros.

Ex-aluno viaja pelo Brasil para conhecer realidade educacional

Com a aspiração maior de mudar o rumo da educação no Brasil, o ex-aluno Caio Dib, formado em 2008, iniciou um projeto pessoal bastante interessante: viajar por todo o Brasil conhecendo um pouco mais sobre a educação em cada canto do país e entrar em contato com as mais diferentes realidades. “No fim do ano passado, senti que precisava sair do escritório para conhecer as realidades brasileiras e para conhecer escolas que têm muito a nos ensinar. Se eu quero mudar a educação do Brasil, tenho que conhecê-la e conhecer as realidades do Brasil. Viajar, explorando o Brasil, é um meio interessante de aprender muito, abrir a cabeça e trocar idéias”, explica.

 

O estudante travou seu primeiro contato de pesquisa com o universo da educação durante sua faculdade de jornalismo e também como pesquisador do livro “Idade Mídia – A Comunicação Reinventada na Escola”; o estudante também foi estagiário do projeto extracurricular Idade Mídia.

A viagem é um projeto pessoal que o próprio ex-aluno intitulou de Caindo no Brasil, que conta com uma página própria no Facebook (facebook.com/caindonobrasil) e tem suas experiências relatadas nos blogs www.escolasdobrasil.blog.br e caindonobrasil.wordpress.com. Caio também financia suas próprias viagens, que se tornaram seu foco profissional no momento. “Está sendo uma experiência única. O aprendizado é diário. Conheço lugares e coisas novas, converso com muita gente e estou visitando vários projetos educacionais incríveis. Formei uma rede de amigos em todo o Brasil e conheci muita gente que está trabalhando para uma melhor educação ”, contou.

Ainda esse ano, Caio pretende escrever dois livros: um sobre a viagem como um todo, e outro sobre as mais interessantes experiências educacionais. Além disso, Caio ainda tem planos para continuar suas viagens, mas dessa vez para compartilhar seu aprendizado em alguns eventos educacionais pelo país. “Também espero continuar o mapeamento de práticas educacionais inspiradoras na cidade de São Paulo, trocar ideias e construir novos projetos com outras pessoas que fazem excelentes trabalhos com as diferentes realidades do país”, completa.