Alunos da turma de 90 realizam encontros mensais

Como é tradição, o Band realiza um encontro para a comemoração de 25 anos de formatura. Alunos da turma de 1990 de diversas regiões do Brasil e também do exterior compareceram ao evento em 2015.

“Encontramos amigos que não víamos desde a época do Colégio e que com certeza, nunca mais perderemos o contato! O Band também foi fundamental para a nossa formação profissional e como seres humanos que carregam em si a ética e o respeito mútuo”, pontuaram as alunas Cristina Amino e Liz Kimura.

IMG_5551

Desde então, os alunos se encontram mensalmente para reviver os momentos que passaram juntos – o que é motivo de orgulho para o Bandeirantes. É de suma importância que, mesmo depois da formatura, os alunos mantenham se próximos uns aos outros e troquem experiências.

IMG_5562

“A turma de 90 agradece ao Band! E esperamos que possamos manter o contato eternamente”, finalizaram.

Veja a galeria de fotos dos encontros clicando aqui.

Aluna do Band realiza transplante inédito

Liliana Ducatti, da turma de 1997, é formada em medicina pela Faculdade do ABC, realizou seis anos de residência médica (quatro pela própria faculdade que cursou e outros dois no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo) e finalizou seu doutorado em gastroenterologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Lilian2

A aluna trabalhou em Bruxelas (Bélgica) com transplante de Fígado no serviço de Transplante da “Université Catholic de Louvain”. Atualmente, Liliana é médica assistente no departamento de gastroenterologia na Divisão de Transplantes de Órgãos do Aparelho Digestivo no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e atende em consultório particular e opera nos hospitais Sírio Libanês, 9 de julho e Oswaldo Cruz.

Apesar de atuar principalmente no transplante de fígado (103 transplantes em 2016 e outros 15 neste ano), no ano passado, Liliana realizou no HC o primeiro transplante de útero no Brasil, o primeiro da América Latina e o terceiro do mundo com doador falecido. “Foi uma honra participar da cirurgia de captação do órgão do doador e do transplante. Felizmente, a paciente segue ótima e em um futuro próximo implantaremos nela o embrião que está congelado para que ela engravide. Se for bem-sucedido, será a primeira criança do mundo nascida de um transplante de útero com doador falecido. ”, comentou.

“O Band foi essencial na minha trajetória, me abriu portas e a cabeça para o mundo. Meus pais sempre sonharam em me proporcionar a melhor educação do mundo, e foi pensando nisso que me colocaram no Band. Sem dúvida acertaram em cheio… me fez querer ir sempre em frente, sempre buscando mais. Além do que, me trouxe as mais valiosas amizades, as quais carrego até hoje. Pessoas maravilhosas que estão hoje brilhando muito em suas carreiras. Sempre falo com muito orgulho que me formei no Band e sem dúvida foi o início de uma longa trajetória que tenho pela frente… sempre querendo alcançar mais longe! ”, finalizou Liliana.