Eu fiz Band: aluna ganha prêmio em Madrid

Com uma série de desafios na área do direito, a aluna formada em 2015, Carolina Stampone, participou da Competición Internacional de Arbitraje y Derecho Mercantil (Moot), em Madrid. Lá ela conquistou o prêmio Eric E. Bergsten de melhor orador individual, além do título de equipe mais completa, garantido por ela e seus colegas da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. 

WhatsApp Image 2018-05-02 at 18.18.17-2

O Moot Madrid é uma competição que reúne 28 faculdades de diversos países para uma simulação jurídica com leis reais do direito. Lá foi possível ter uma experiência prática da profissão e também conhecer profissionais e acadêmicos reconhecidos na área, além de estudantes de vários cantos do mundo. ​​

WhatsApp Image 2018-05-02 at 18.18.18-2

“Foi muito melhor do que eu esperava. Madrid foi a conclusão de seis meses de trabalho e representar a USP e, no caso, o Brasil por seremos os únicos brasileiros da competição, foi uma sensação de missão cumprida só de pisar naquela cidade, independentemente dos resultados posteriores”, contou ela. 

WhatsApp Image 2018-05-02 at 18.18.20

A competição foi realizada totalmente em espanhol. “Todo o meu conhecimento de espanhol veio do Band. Foi essencial. Competimos contra universidades que tinham a língua espanhola como materna e mesmo assim conseguimos excelentes resultados”, ressaltou ela. 

WhatsApp Image 2018-05-02 at 18.18.21

Carolina conta que foi no Band que aprendeu a expor suas ideias, tanto em atividades como o MONU-EM, que participou enquanto estudava no Colégio, como monitora da escola onde, depois de se formar, teve a oportunidade de treinar a oratória apresentando o Band para futuros alunos. Além disso, em 2017, ela contribuiu na preparação de estudantes que prestaram vestibulares de direito com provas orais, como o da Fundação Getúlio Vargas.

Eu fiz Band: Bruno Cesconetto e o estudo do “Blockchain”

WhatsApp Image 2018-04-16 at 13.24.59Mergulhando nas mais novas tendências mundiais da economia, o aluno Bruno Cesconetto, formado em 2016 e atual estudante do Insper, foi um dos fundadores da primeira entidade estudantil para estudo de “Blockchain” do Brasil, a “Blockchain Insper”. 

O “Blockchain” é uma base de dados usada para criar um índice global de transações digitais em determinados mercados. A tecnologia é uma das principais inovações da criptomoeda “bitcoin”. Essa área, por ser uma novidade, ainda é pouco estudada. 

Bruno é diretor de tecnologia da “Blockchain Insper” e conta que vem se interessando por criptomoedas desde 2014. “Uma entidade como essa é importante principalmente porque é algo novo que poucas pessoas entendem. Se todos os alunos aprenderem sobre essas inovações cedo, podem futuramente sair na frente e ajudar a comunidade a se desenvolver”, disse ele. 

O aluno destaca o Band em suas conquistas. “O Colégio sempre me incentivou a ir atrás do que eu queria”, contou ele, ressaltando ainda que a escola o estimulou a participar da Olimpíada Brasileira de Informática, por exemplo, e outras atividades envolvendo tecnologia.

Por trás das câmeras: Victória Marino em Los Angeles

Formada em 2011, Victória Marino saiu do Band para conquistar o mundo através dos bastidores das telonas do cinema. A aluna cursou cinema na Tisch School of the Arts at New York University e, atualmente, mora em Los Angeles onde trabalha como coordenadora de produção.

victoria1

Seu trabalho consiste num dos maiores pilares de qualquer filmagem: sem a organização de equipes, locações e infraestrutura a execução se torna simplesmente impossível. “A produção não é a parte mais glamorosa do cinema, mas gosto. É a base para que qualquer produção aconteça. Desde o primeiro orçamento, tenho que saber de tudo que será necessário para fazer a produção virar realidade”, disse ela.

victoria2

Entre seus trabalhos destacam-se o filme “Não se aceitam devoluções” com Leando Hassum, o programa do Discovery Chanel “The Wheel” e o programa da MTV “Catfish Brasil”.  Apenas com 23 anos de idade, ela já é parte essencial para grandes projetos. “Gosto muito do que faço e quero apenas aprender mais”, garante Victória.

victoria3

Ela conta que o Band, além de ter dado a base para as provas necessárias, também a ensinou a ser determinada. “Aprendi a não ter medo de sonhar o mais alto possível e a não me contentar com pouco. O Band está atrelado ao meu crescimento pessoal e foi lá que fiz minhas melhores amizades. Sem o Colégio nunca poderia ter tido a experiência única de morar fora, que foi incrível para mim”, concluiu ela.

Pedro Ramunno: do Band à coordenadoria da FGV

Mestre em direito comercial pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, Pedro Ramunno, formado no Band em 2008, juntou à sua carreira mais uma conquista: hoje ele é coordenador do curso de Compliance do PEC-FGV (Programa de Educação Continuada da Fundação Getúlio Vargas). Além disso, o aluno é sócio do escritório Ramunno Alcalde Advogados.

pedro_ramunno

Conciliando as atividades no escritório com a vida de professor, Pedro afirma que sempre se sentiu muito bem ao dar e preparar aulas. “É algo que me dá muito prazer e quando encontramos algo que nos faz feliz, é difícil desapegar”, contou ele. O aluno explica que, em sua nova função, há o desafio  de garantir um bom aprendizado ao alunos. Apesar de ter apenas 25 anos, com dedicação, ele garante que as barreiras em relação à sua idade ficam cada vez menores.

Ele destaca que o Band, por ser um espaço que favorece as iniciativas dos alunos, foi essencial para o desenvolvimento de algumas de suas competências empreendedoras. “O Band sempre foi uma escola que me deu asas”, comentou ele. Alguns projetos dos quais participou durante os tempos do Colégio foram pontos decisivos em sua escolha de carreira. “Aprendi a expor ideias e me expressar, consequentemente acabei optando por Direito. Hoje adoro o que faço”, contou ele.

Além disso, foi entre os tijolinhos do Band que Pedro realizou sua primeira palestra na qual conversou com aluno do Colégio sobre negociação. Foi a partir dela que foi escrito o livro “Negociações e direito – Proposições”, publicado em 2015. “Após a conversa, alguns professores do Band disseram que aquele material daria um livro e deu”, comentou ele.

“Como tudo na vida temos professores que nos inspiram. Assim, tanto na faculdade como no Band tive mestres que me inspiram até hoje em minhas aulas”, concluiu Pedro.

Formados em 2007 e 1992 se reencontram no Band

Foi em meio as memórias desenhadas por cada tijolinho presente nas paredes do Colégio que se deu o encontro de 10 e 25 anos de formados das turmas de, respectivamente, 2007 e 1992. Para isso, os alunos retornaram ao Band para um almoço com direito a muitas lembranças especiais.

43537FF7-9E70-48B1-8742-AABD6E48199F

formandos de 1992

Organizado pelo Departamento Cultural, o encontro permitiu que os alunos se reencontrassem com antigos amigos, professores, funcionários e, principalmente, com o Colégio onde todos esses laços foram criados. Em meio a comida e música, muitos aproveitaram para passear pelo Band e também para comprar moletons da escola, produzidos pelo XXV Grêmio de Agosto.

L M (130)

Estavam presentes o Diretor e Presidente, Mauro de Salles Aguiar; Coordenador de Língua Inglesa, Olavo de Amorim; Coordenador do Departamento Cultural, Ricardo Aguirre; Professor de Geografia, Pedro Coelho e o Professor de Matemática, Manuel Lopes.

formandos de 2007

formandos de 2007

“Foi muito importante reencontrar todo mundo, afinal, parece que ainda ontem eu estava no Band me divertindo com eles. É bom ver que muitos foram bem sucedidos, tem filhos e estão felizes. Nem parece que já faz 25 anos”, conta Ricardo Aguirre que também é aluno formado em 1992. “Nesse período que venho trabalhando como professor pude participar da formação de alguns alunos, o que torna esse ciclo de 10 anos de formado muito interessante. Vi que meus amigos guardam muito carinho pelo Band, o que me anima a continuar os projetos aqui”, comentou o Professor Pedro, da turma de 2007.

Confira a galeria de imagens clicando aqui.

Isabella Lubrano: do Band para o Youtube

Quando Isabella Lubrano se formou no Band em 2006 provavelmente a última ideia que passou por sua mente foi a de que, hoje, ela seria destaque entre os “booktubers” brasileiros. Com mais de 110.000 inscritos, Isabella fez de seu canal no Youtube, “Ler antes de morrer”, uma profissão e, nele, aproveita para falar de uma de suas maiores paixões adquiridas ainda na época do Colégio: os livros.

isabela_lubranno_2

Como “booktuber”, nome daqueles que possuem canais no Youtube para falar exclusivamente de livros, Isabella faz resenhas de obras, fala sobre livros dos vestibulares, dá dicas de leitura e discorre sobre seus livros favoritos.  Para isso, é preciso muita pesquisa e empenho. “Eu tratei o Youtube como profissão, assim, meu foco é sempre fazer algo com qualidade”, comenta ao dizer que participou de workshops do Youtube e até recebeu ajuda de uma fonoaudióloga para os vídeos.

Todo esse esforço e força de vontade é uma herança do que aprendeu nas salas de aula do Bandeirantes, e frequentando projetos como o Idade Mídia, que exploram a comunicação. “A minha vida é antes e depois do Band. Lá que adquiri a capacidade de ler, interpretar e me concentrar. Aprendi a sentar e estudar e levo isso pra vida. É bom estudar e descobrir algo que muda toda a sua visão de mundo”, conta ela ao mencionar que ainda pretende fazer um curso de Letras. “Não quero ser alguém cujo conteúdo se esgote”.

Após se formar no Colégio, Isabella estudou Direito na Universidade de São Paulo e, depois de perceber que não era aquilo que queria, conciliou a USP com a Faculdade Cásper Líbero, onde estudou Jornalismo. O canal, que começou como um blog e gradualmente se tornou o que é hoje, provavelmente não foi a primeira opção de profissão de Isabella mas , no final, conciliou suas paixões: o jornalismo e a literatura.

60 anos de amizade e lembranças

Era 1957 quando um grupo de novos alunos começou a frequentar o Ensino Médio no Band e fortalecer dia a dia sua união.

60_2

Após 60 anos, os amigos realizam encontros em homenagem a amizade e aos laços construídos entre as paredes de tijolinhos da Rua Estela. Os alunos já comemoraram 50, 55 e 60 anos desde o dia em que a turma se conheceu.

60_5

Tudo começou com o casal Zuleika e João Carlos Thomson. Médicos e durante 46 anos, professores da UEL (Universidade Estadual de Londrina), os dois se conheceram no Colégio. Após organizarem encontros de suas turmas da faculdade, decidiram, em 2007, celebrar os 50 anos do início da turma do Bandeirantes.

60_7

“De alguns amigos nunca perdemos contato, mas havia pessoas que nós não víamos há anos”, comentou Zuleika. Por esse motivo, no primeiro encontro, os vinte participantes tiveram de usar crachás de identificação. O almoço que rendeu, além de sorrisos e alegrias, data marcada para os próximos encontros: de 55 e 60 anos.

60_6

A cada encontro, o casal e os demais amigos mergulham em um trabalho árduo  para conseguir entrar em contato com mais colegas. “É um trabalho difícil, mas dá muita satisfação manter as amizades”, explica João Carlos.

60_9

No encontro de 2017, também conseguiram entrar em contato com a professora de Matemática da turma, Guitta Guinsburg. “Nós fomos a primeira classe dela. Ela ficou muito emocionada. Uma vez aluno, sempre aluno”, lembrou ele.

60_8

Como uma viagem no tempo, o casal lembra carinhosamente do Colégio, onde conquistaram laços de uma vida inteira. “O Band foi a descoberta de que eu poderia fazer amigos de verdade. O grupo de 1957 me ensinou o que era amizade. Depois de 50 anos lembramos até das piadinhas de sala, é quase como rejuvenescer”, disse Zuleika. João lembra detalhadamente de professores e funcionários. “O Colégio é um ambiente que, por amadurecer o aluno, acabou por fortaleceu a amizade entre pessoas diferentes”, finalizou João.

Eu fiz Band: Lígia Cortez

Muitos conhecem sobre a carreira da atriz Lígia Cortez, porém, o que poucos sabem é que tudo começou no Band. Carinhosamente, ela lembra dos momentos que dividiu com amigos e professores no ambiente escolar.

ligia_cortez

Formada em 1978, Lígia seguiu os passos do seu pai, o também ator Raul Cortez, e seus tios, que haviam estudado no Colégio.

Ela afirma que teve um aprendizado muito sólido com professores de qualidade, que a ensinaram como argumentar e raciocinar para além de um plano de ensino fechado. “O estudante sai do Band com possibilidades para a compreensão crítica do mundo. O Colégio se mantinha neutro para que o aluno pudesse pensar e aprendi muito sobre o país durante esse período” disse Lígia. Ela ressaltou também a forma ética com que os alunos são tratados já que a eles é dada toda a liberdade contanto que saibam lidar com as consequências.

Sua carreira de atriz, tanto no teatro quanto na televisão, revela traços de ensinamentos adquiridos em sua trajetória no Band: a liberdade, autonomia e certeza da própria capacidade. Além disso, ela conta que obteve uma enorme bagagem cultural já que teve acesso a uma série de livros, filmes e aulas de línguas estrangeiras – conhecimentos que poderiam leva-la aonde desejasse.

Diretora da Escola Superior de Artes Célia Helena, Lígia aplica na instituição muitos dos ensinamentos que aprendeu durante seus anos no Colégio. “No Band aprendi que tudo o que realizamos tem que ser pra valer e com qualidade. Levo isso para o Célia Helena onde procuro sempre ensinar sobre integridade para o aluno e trata-lo com respeito” contou a atriz.

Dra. Renata Konno fala sobre Medicina

Em palestra para cerca de 70 alunos, Renata Konno, ginecologista e obstetra, conversou com os interessados no curso de Medicina. A médica contou sobre toda a sua trajetória, desde o Bandeirantes e seu empenho para passar no vestibular até a residência na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

konno_1

Medicina é uma das principais opções de carreira dos estudantes, por isso a oportunidade de conversar e tirar dúvidas com a Dra. Renata Konno se fez muito importante para ajuda-los a tomar uma decisão. “O evento foi fundamental para alguns alunos terem certeza da opção, mas também foi importante para aqueles que, após a conversa, decidiram não seguir a profissão e, assim, procurar por diferentes possiblidades de carreira” disse Cláudio Pinheiro, Coordenador de Processos de Avaliação Acadêmica.

konno_3

“Achei os alunos muito interessados e curiosos sobre o assunto. Conversamos sobre os esforços da fase do vestibular, a importância de uma boa faculdade vinculada a um hospital escola, o investimento de tempo e dinheiro na carreira, a diversidade de campos de atuação e também sobre a felicidade de poder ajudar um paciente. Apesar da pouca idade, espero que os alunos façam suas escolhas de acordo com suas preferências, seus gostos e no que eles acreditam que possam fazer a diferença” disse a Dra. Renata Konno.

konno_4

A palestra faz parte de um projeto de reestruturação do Departamento de Orientação Profissional e para os Vestibulares, liderado pelo Coordenador Cláudio. A mudança consiste em, entre outros aspectos, colocar o aluno em contato com profissionais da área que possam mostrar como é a profissão na prática.

Prazo para adquirir ingressos do encontro de 10 e 25 anos foi prorrogado

Com o intuito de manter o vínculo dos alunos formados com o Band, o Colégio organiza anualmente uma festa de confraternização que comemora 10 e 25 anos de encerramento do Ensino Médio.

eufizband_2017_2Neste ano, as turmas de 1992 e 2007 poderão reencontrar amigos, professores e reviver muitas lembranças dos seus tempos de escola.

eufizband_2017_1Em um primeiro momento, os estudantes poderão usufruir de um coquetel. Logo depois, será oferecido um almoço, sempre repleto de alegria e histórias a respeito das mais diferentes trajetórias dos alunos.

eufizband_2017_4O encontro ocorrerá no dia 24 de junho, das 12h30 às 16h30, no próprio Colégio.

eufizband_2017_3

Para garantir presença no reencontro das turmas, os interessados devem entrar em contato pelo telefone do Band (11) 5087-3520 ou 5087-3521 e tratar diretamente com o Departamento Cultural. Atendendo a pedidos, o prazo para adquirir os ingressos foi prorrogado para o dia 2 junho.